Estágio: será que está na hora de mudar?

Descubra quando e como fazer essa transição
Descubra quando e como fazer essa transição

Mudanças, muitas vezes, vêm acompanhadas de insegurança e medo de um possível arrependimento. A questão se torna ainda mais delicada quando essa transição é no âmbito profissional, principalmente, para quem está iniciando e adquirindo experiência no mercado de trabalho, como os estagiários. 

Um dos principais objetivos do estágio é proporcionar maturidade profissional e o contato com o ofício escolhido. No entanto, o que fazer quando a tão desejada vaga já não está satisfazendo o estudante? Qual postura deve ser adotada por quem pretende realizar essa transição? 

A psicóloga e analista de recrutamento e seleção do Serviço Social da Indústria de Pernambuco (Sesi-PE) Suelane Anjos aponta que os sinais que podem indicar uma possível mudança estão associado a diminuição no nível de aprendizagem, ou seja, “quando no ambiente da empresa não é possível mais desafiar esse estudante nessa preparação”. 

“Outro fator importante é sempre ir chegando a cada semestre se existe compatibilidade das atividades com a rotina da formação, havendo uma possibilidade de mudança de estágio para agregar nesse sentido”.

” Lembrar ainda que as atividades e exigência com o estagiário não devem caracterizar um vínculo empregatício, como jornada de trabalho, nível de resultados, entre outros, motivo que também pode fazer o estagiário mudar de estágio”, explica.

Entretanto, é importante ter cuidado para não agir com impulso e tomar uma decisão errônea. “Agir por impulso pode fazer com que você não avalie os pontos positivos e negativos da mudança de estágio, inclusive pode afetar sua mudança na empresa e a forma como você é avaliado no processo seletivo seguinte”, alerta Suelane.

Como deve ser feita essa transição?

Após avaliação e decisão tomada, o processo deve ser “feito de forma transparente, harmonioso e procurando sempre manter o bom relacionamento no ambiente, para que, possam manter as portas abertas e possíveis contatos”.

Além disso, a saída da empresa deve ser comunicada de imediato ao supervisor e/ou chefe para que haja reorganização das demandas institucionais que eram de responsabilidade do, agora,  ex-estagiário. 

“Sobre comunicar o motivo da saída, é importante o estagiário conhecer a cultura da empresa, assim, ele saberá se faz sentido “justificar” ou não. Escolhendo por dizer as razões, é importante que seja enfatizado sobre o objetivo do estágio e a busca por novas oportunidades de aprendizado para o novo cenário que se encontra, andamento da formação acadêmica e novas capacitações”, ressalta.

Mudei e me arrependi: e agora?

Toda mudança ou troca não está livre de arrependimentos.  Nestas horas, é importante manter a calma e avaliar bem a situação.

Mas, caso não seja possível e bater a vontade de procurar a antiga empresa ou ex-chefe, deve-se levar em consideração “a forma como  o estagiário saiu da empresa, da “aceitação” para a decisão tomada, dos relacionamentos que foram construídos e da referência profissional que você tenha deixado”, frisa a psicóloga.

Outro ponto, elencado por Suelane Anjos, é a justificativa  para a saída, pois, “a instituição pode alegar que não tem um ambiente “novo” que possa proporcionar aquilo que se almejou com a mudança de estágio”.

“Por isso, é importante sempre sentir a empresa,  o perfil de liderança do supervisor que acompanha o estágio e como essa relação foi sendo construída durante o período de permanência na organização. Momentos de feedback se fazem fundamental para ajudar o estagiário diante dessas mudanças tão significativas na sua trajetória curricular”, aponta.





Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.