Fuja de erros na preparação do currículo

É rotina na vida de quem está desempregado o envio quase que diário de dezenas de currículos, seja pessoalmente ou por email. Muitos sequer recebem algum retorno, mesmo que negativo, em relação ao documento que enviaram. Mas como saber se o seu currículo possui algum erro, que pode estar impedindo a reinserção  no mercado de trabalho? O LeiaJá ouviu especialistas em recrutamento para ajudar candidatos a identificar falhas na confecção desta que é a primeira impressão que as empresas têm dos futuros funcionários.

A principal falha cometida pelos aspirantes a uma vaga de emprego é pecar no uso do português. “Isso realmente é um erro gritante”, afirma a Gerente de Recursos Humanos da MuchMore Tecnologia, Sabrina Torres. A profissional ainda explica que é preciso atenção também à digitação e não exagerar em figuras e elementos visuais, que acabam tirando a atenção de quem está lendo.

Profissionais de recursos humanos deparam-se algumas vezes com bons currículos, no entanto não apresentam dados de contato corretos. Os candidatos colocam email incorreto, telefone faltando números e isso impede uma possível convocação para seleção. Já com outras pessoas ocorre exatamente o oposto, pecam pelo excesso de informações.  “Já vi gente colocando até o título de eleitor. Isso não é necessário. Só se for pedido e quando a empresa enviar formulário específico. Tem gente que faz um currículo extenso demais, com muita coisa. Tem que ser sucinto e objetivo. Menos é mais”, destaca a Gerente de RH.

Outra falha cometida, que pode custar as chances no mercado é redigir um único documento para vagas distintas. Para o Coordenador do curso superio

r de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos, da Universidade Joaquim Nabuco, Jessé Barbosa de Araújo, é preciso analisar a vaga que está disputando e direcionar as experiências e conhecimentos para ela. “Esse erro é mais comum que se possa imaginar, o fato é que antes de se construir um currículo, deve-se analisar a vaga para qual se  pretende enviar o mesmo, além de ser o mais objetivo possível para que o mesmo não se torne cansativo e desinteressante”, aconselha o coordenador.

Vale salientar que não é preciso colocar todos os cursos e atividades educacionais que realizou na vida. Tudo tem que ser alinhado ao cargo da candidatura. Já em relação ao campo de referências, os recrutadores explicam que não se deve colocar contatos de familiares e sim de referências profissionais, como antigos gestores, pessoas com as quais trabalhou e podem atestar as capacidades e habilidades do candidato no ambiente de trabalho.

E a foto?

Este é um ponto polêmico para alguns e nem tanto para outros. A gerente de recursos humanos, Sabrina Torres, não vê problemas em avaliar um currículo com foto, desde que a foto tenha sido pensada para aquela vaga específica. “Tem que ser uma foto bacana, limpa, que possa visualizar o rosto do candidato. Na dúvida as pessoas podem se fazer algumas perguntas: “se o cargo exige boa aparência; se é uma boa foto e que imagem ela vai passar”. Não tem problema colocar, mas acho que tem que ser coerente com o currículo”, comenta a gerente.

No entanto na hora de escolher a foto não pode copiar e colar para o currículo a imagem do perfil da rede social e nem é muito indicado uma foto escaneada de documento. “  Na verdade se a vaga exigir, pode colocar, caso não, envie sem foto! O ideal é uma foto em um ambiente neutro e que consiga obter melhor nitidez de sua imagem”, lembra o coordenador Jessé Barbosa.

A dica é sempre ter cuidado ao que escreve, não colocar informações inverídicas, revisar uma ou duas vezes e pedir para uma pessoa ler e verificar se não tem erros ortográficos ou de digitação. Veja algumas dicas de como construir um bom currículo e conquistar a oportunidade de trabalho:

Cabeçalho

Comece seu currículo com informações pessoais como nome, idade, status civil, telefone, informar a categoria da habilitação, caso possua e a vaga exija isso, link de redes sociais, como Linkedin e email. O coordenador de RH, Jessé Barbosa, ressalta que é preciso tomar cuidado com endereços eletrônicos que tenham nomenclatura coloquial demais. “Nada de email com nomes pejorativos, de duplo sentido ou apelidos exemplo: patricia_a_gatinha@provedor.com – procure utilizar de emails mais simples e diretos tais como seu nome e sobrenome”, explica o professor.

Objetivo

“Evite colocar no objetivo do currículo textos grandes de mais e que não fazem menção a nada”, orienta Jessé Barbosa. Este campo trata-se de direcionamento à vaga pleiteada.

Escolaridade e Formação Acadêmica

Deve-se preencher com dados referentes à vida escolar dos candidatos. Quem concluiu o nível fundamental e médio utiliza escolaridade, colocando se concluiu ou a série que está cursando. Já para quem está na faculdade ou no ensino técnico utiliza ‘Formação Acadêmica’, com nome da instituição, curso e período cursado ou ano de conclusão. Veja o exemplo:  Centro Universitário UNINABUCO PAULISTA – Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos – Período: 1º Período (Noite).

Cursos/Palestras/Congressos

Existe um campo no currículo que os candidatos podem preencher com as qualificações que tem. Lembrar sempre de personalizar os dados de acordo com a vaga desejada. Se quer concorrer a uma oportunidade na área de comunicação, melhor colocar um curso de fotografia do que um de assistente administrativo, por exemplo. Pode-se colocar cursos sem certificado, mas o professor Jessé Barbosa orienta que para determinadas vagas a certificação pode ser pedida. É só ficar atento a este detalhe e ter cuidado para não se estender demais. Vale o conselho dado desde o início: seja objetivo.

Experiências Profissionais

Procure focar nas três últimas experiências, sempre da mais atual para a mais antiga. Colocando a data de admissão e desligamento, se ainda estiver vinculado pode colocar esta informação logo após da data em que começou a trabalhar na empresa.

Exemplo: Empresa: Nome S/A – Cargo/Função: Analista Administrativo – Período: 04/2016 à 04/2019 – Principais Atividades: Resumir as atividade em um parágrafo ou seja no máximo 5 linhas.

Atividades extra-curriculares

Este não é um item obrigatório, mas pode fazer a diferença entre os candidatos. Pode ser colocado neste campo atividades como grupos de estudos, pesquisas científicas, monitoria na faculdade, além de trabalhos voluntários e experiências com atividades de responsabilidade socioambiental.

*Por Marcele Lima

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.