O redesenho do mercado corporativo através do Job Crafting

Mundo corporativo

É notório os paradigmas enfrentados pelo universo corporativo diante dos desafios do mercado de trabalho atual. A representatividade dos colaboradores em atividades relevantes nas empresas reconfigura um espaço participativo e oportuno para ambos os lados.

Essa tendência de mercado tem nome, é o Job Crafting. O conceito se aplica em reestruturar elementos que estimulem a satisfação e a criatividade das pessoas no trabalho em busca de resultados.

A participação ativa não depende exclusivamente da gestão da empresa para que o trabalho flua de forma intermitente. O Job Crafting busca modificações na rotina administrativa e nas relações de trabalho com a finalidade de alcançar resultados satisfatórios. É importante frisar as exigências impostas por essa modalidade, como a proatividade das pessoas, a sensação de crescimento profissional e a necessidade constante por mudanças.

Cenário ideal para empresas que vivem um mercado agressivo e sedento por desafios em sua estrutura corporativa. Porém, a determinação e criatividade do Job Crafting inspira dificuldades por executivos que se limitam a uma gestão engessada e incoerente.

Com base na relevância deste fenômeno, elencamos alguns fatores determinantes e de fundamental importância que contempla esse processo:

Adesão ao conceito

O princípio do modelo é ajustar as atividades desempenhadas de modo a agregar valor profissional munido de propósitos e altruísmo pessoal. O estudo realizado por Wrzesniewski e Dutton sugere que o colaborador dissemine na sua rotina diária atitudes que possam gerar benefícios coletivos de forma positiva.

O diagnóstico pode ser percebido, por exemplo, na mudança da satisfação com o emprego ou com a perspectiva da carreira. Embora colaboradores em estágios diferentes possam estar em níveis distintos, a interferência do Job Crafting contribui de forma impactante na mudança de comportamento do coletivo com a finalidade da entrega com qualidade do serviço.

Execução na empresa

O Job Crafting pode ser visto como uma grande engrenagem onde as funções devem se ajustar com intuito de estender os benefícios de forma global. Por outro lado, entende – se que trabalhar com pessoas implica se em unir peças distintas a fim de gerar um bem comum a todos.

Para que o ajuste seja eficaz, é necessário reunir três fatores primordiais: a disciplina, a relação interpessoal e o conhecimento São esses paradigmas que irão compactar exigências necessárias para construir o impulso à participação, à criatividade e o desenvolvimento dos interesses profissionais, além da flexibilidade.

Realização pessoal

O estimulo pela renovação de processos pauta a necessidade de inserir no ambiente coorporativo. O desenvolvimento deste método nasceu com o propósito de encarar a rotina profissional como algo prazeroso e cada vez menos engessado. A quebra da lógica profissional dá espaço para um ambiente mais criativo e livre de condições meramente obrigatória.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.