Namoro no trabalho: saiba os pontos positivos e negativos

Neste Dia dos Namorados, conhecemos a experiência de Monica Crisóstomo e Pedro Ivo Bernardes, casados há 25 anos. Eles já compartilharam o ambiente profissional por 14 anos.

O especialista em Recursos Humanos Jessé Barbosa aponta as vantagens e desvantagens de compartilhar o ambiente profissional com o namorado ou marido. “Namorar alguém do trabalho envolve questões que muitas vezes as pessoas não estão preparadas ou maduras para conduzir, a exemplo disso podemos citar o sigilo corporativo, uma decisão de demissão ou uma ação de aquisição da empresa onde tais informações não devem ser compartilhadas a não ser somente entre aqueles que de fato devem ser envolvidos e às vezes na confiança da confidencialidade do casal, é debatido tal assunto, podendo incorrer em propagação da informação de forma distorcida”, explica o especialista.

“Outros fatores de ordem interpessoal podem gerar desconforto no ambiente de trabalho, a exemplo se uma das partes possuir um boa interação entre os colegas de trabalho, isso pode gerar ciúmes na outra pessoa que pode impor limites na comunicação gerando conflito”, analisa Jessé.

Para Monica Crisóstomo e Pedro Ivo Bernardes, ter um compromisso e dividir o mesmo ambiente de trabalho nunca foi problema, mas eles tiveram que enfrentar alguns obstáculos. “Iniciamos nossa carreira profissional juntos, somo jornalistas e até o nosso primeiro estágio realizamos no mesmo ambiente de trabalho”, comenta Monica. “Na contratação de Monica para uma dessas empresas, ocorreram alguns obstáculos com o pessoal do RH, pois não queriam contratar por sermos casados”, acrescenta Pedro Ivo.

Pedro e Monica afirmam que não tiveram problemas no ambiente profissional. Foto: Cortesia

Jessé Barbosa diz que esse é um assunto delicado e que “muitas pessoas não  conseguem fazer a distinção do ambiente profissional e vida privada”. “De fato, não há como não desenvolver afeto ou desafeto por alguém do trabalho, visto que passamos maior parte de nosso tempo nele. Tratando-se de relacionamentos, vantagens e desvantagens existirão à medida que decide-se namorar alguém do trabalho, pois o julgamento e processo de decisão, por mais isento que se busque ser, terão momentos de inclinação para a pessoa em que se tem o relacionamento e mesmo que não haja, a percepção dos demais colegas de trabalho será essa”, analisa Jessé.

Pedro, por sua vez, garante que a relação com o companheiro nas empresas não afetou sua rotina profisisonal. “Nossa relação no trabalho sempre foi tranquila, nunca houve uma discussão, pois sempre procuramos separar assuntos pessoais dos profissionais, seguindo o método de nunca levarmos problemas de casa para o trabalho e nem do trabalho para casa”, comenta Pedro Ivo. Ele ainda acrescenta que colegas mais próximos sabiam que ambos eram casados, já outros ficavam surpresos ao saber, pois não discutiam e nem demonstram outro tipo de relação no ambiente profissional.

Monica relata que os colegas sempre perguntavam como era trabalhar com o marido. “Sempre achei muito bom, todas as experiências que tivemos foram fundamentais, mas também era muito bom quando não trabalhava com ele, porque o equilíbrio é exatamente isso, se estamos juntos em uma empresa vamos aproveitar o máximo para crescermos juntos, se não estamos, aproveitamos também, para compartilhar futuros conhecimentos”, relata Monica.

Ela ainda comenta que houve momentos em que Pedro, além de ser colega de trabalho, era seu chefe. A situação, para ela, foi tranquila. “Namorar alguém do trabalho exige postura e discrição, bem como é preciso entender que o seu relacionamento não pode afetar o desempenho da empresa ou seu julgamento e base importante”, analisa o especialista em RH.

Pedro Ivo relata que um dos pontos positivos de ter trabalhado com Monica foi a maior convivência e a troca de conhecimento. “Quando trabalhamos no mesmo ambiente que o parceiro (a), sabemos do estresse que um ou outro está passando e isso ajuda a você ser mais compreensivo em casa; já o lado negativo e que é um risco para o relacionamento, é o excesso de convivência, e se não tiver cuidado pode provocar um desgaste, é preciso ter muito cuidado com isso, por isso é necessário saber separar as coisas”, comenta.

Monica acrescenta que a experiência serviu para que ambos tivessem o crescimento pessoal e profissional bem satisfatório, pois, um aprendeu com o outro de diferentes formas. “A minha sugestão é que se você tem a oportunidade de poder dividir sua vida pessoal e profissional com o seu marido ou namorado, aproveite para crescer, pois, além de tudo, você terá um excelente colega para poder conversar abertamente sobre dúvidas, conselhos, sugestões e preocupações; também vai ser aquela pessoa que vai te dizer que algum material ou ato profissional não está ou foi legal”, finaliza Monica.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.