Etiqueta: O que NÃO falar no seu ambiente de trabalho

Melhor não falar

Decidir o que se deve falar ou não é aparentemente fácil: “É uma questão de relacionamento dentro das empresas. É saber o que vai contribuir ou não para o seu trabalho”, começa Diogo Galvão, Diretor do Núcleo de Empregabilidade do Grupo Ser Educacional. O foco, então, deve ser criar um ambiente onde as pessoas se sintam confortáveis e respeitar os limites.  E onde começam esses limites?  Confira o que NÃO falar no seu ambiente de trabalho.

Sua vida pessoal e os detalhes “delicados”

Este não é mistério para ninguém: o que acontece entre quatro paredes FICA entre quatro paredes. As pessoas têm níveis diferentes de tolerância a assuntos como sexualidade, farras e bebedeiras e, por isso, você pode constranger ou mesmo ofender alguém do seu trabalho. Por mais saudável e positivo você acredite que isso tudo seja, é melhor deixar tais assuntos fora dos comentários e usar a sua inteligência emocional para equilibrar os ânimos.

Outra dica é pegar leve nas redes sociais (ou ter cuidado com a privacidade de suas postagens). Nem sempre se pode dissociar tudo do trabalho e seus colegas de empresa podem ter acesso ao que você posta – e não é todo mundo que sabe separar a vida particular da profissional. Cuide da sua imagem tanto dentro quanto fora da sua empresa!

Posicionamentos políticos

“Na situação atual, onde os ânimos estão exaltados, é delicado tomar uma postura muito extrema por causa dos seus colegas de trabalho”, avalia Diogo. Ele explica que não é incomum serem criados ruídos de comunicação e probleminhas que vão impactar no resultado do seu trabalho, afinal, você não trabalha sozinho e sua imagem influencia na cooperação das outras pessoas.

Se o assunto político chegar, é melhor respirar fundo e buscar emitir as opiniões mais neutras possíveis, já que discordar dos valores das outras pessoas pode abalar a simpatia que seus colegas de trabalho sentem por você – ou que você sente por eles -, infelizmente.

Fofoca e julgamentos sobre sua equipe

Sem esquecer que você não trabalha sozinho, é melhor tomar cuidado com qualquer coisa que você vá comentar sobre colegas de setor – ou mesmo fora dele. Não importa se eles forem péssimos profissionais ou apenas pessoas ruins: não caia no erro de reclamar ou falar mal deles por aí, se isso não for uma maneira de solucionar problemas. Fofoca é sempre ruim, incluindo a pessoa que a passa adiante.

Outro probleminha que você deve evitar é abrir o bico sobre informações confidenciais do seu setor. Controle a língua mesmo que seja uma novidade empolgante para você e seus parceiros, você nunca deve interferir nos planos empresariais.

Detalhes sobre o holerite

Ah, sim! Nada de falar demais nem mesmo quando a informação é muito boa. Nem sobre o seu aumento de salário ou promoção iminente! Seu holerite (mais conhecido como contracheque ou “o quanto você recebe da empresa onde trabalha”) é assunto só seu. Apesar de algumas empresas terem uma política transparente de salários, divulgando quanto cada um ganha, isso não é uma regra, mas exceção. Por isso algumas pessoas podem descobrir que ganham menos que seus colegas e, assim, se sentirem injustiçadas. “Não estar satisfeito com o salário pode desmotivar, criar conflito pessoal”, aponta o diretor do Núcleo de Empregabilidade. Discuta seu pagamento apenas com seus superiores, se isso é necessário.

Suas insatisfações com o cargo que ocupa

Por favor, se você odeia o seu emprego mas não pretende deixá-lo: guarde as reclamações para si. Resmungar a respeito da sua posição na empresa pode ser muito mal visto dentro do ambiente de trabalho. Guarde para si e para o seu diário as suas maiores queixas  – a não ser que elas tenham soluções práticas. Além disso, o desânimo é contagioso e chefe nenhum quer ver uma equipe desmotivada.

Da mesma forma, se você pretende mudar de emprego, mantenha isso em segredo. Você não quer parecer um traidor da empresa (e confie, há muito protecionismo dentro delas, quando se “veste a camisa” do time) nem dar com o burros n’água e perder a credibilidade dentro da sua área.

No final das contas, Diogo dá a dica mais importante de todas: embora nada do que dividimos aqui seja uma regra, se adaptar à cultura de cada empresa é um modo de agir indispensável. Isso quer dizer que devemos tomar cuidado com a forma de falar, de se vestir (cuidado com o dress code!)  e o comportamento em geral. “O profissional tem que ter a capacidade de entender o ambiente em que se encontra e perceber o comportamento das pessoas naquele lugar”, avisa o diretor.

No final das contas, o melhor a se fazer é manter a discrição e aprender como agir dentro do trabalho, a fim de não ser um estranho e não se encaixar. É como usar sempre a mesma língua que seus companheiros e evitar qualquer problema de comunicação.

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *