São João: veja dicas para aproveitar festividades e ganhar dinheiro

O mês de junho é um dos mais esperados pelos nordestinos, afinal, o São João é uma das festividades que mais aquecem o comércio e o turismo da região. A tradição forte, sobretudo em cidades como Caruaru, em Pernambuco, e Campina Grande, na Paraíba, que disputam o título de maior São João do mundo, faz com que a venda de produtos típicos, comidas de milho, vestimentas e até fogueiras, sejam negócios rentáveis para quem busca um dinheiro extra.

A confeiteira Juliana Santos é uma das pessoas que aproveitam a época para aumentar os lucros de sua empresa. Durante todo o ano, o “Delícias da Juli” dedica-se a encomendas de bolos e doces voltados a diversos tipos de comemorações, além da venda do clássico bolo de rolo pernambucano. Para o mês de junho, a confeiteira resolveu inovar na oferta dos produtos. “Nessa época junina incluo no cardápio os bolos típicos como bolo de milho, macaxeira, bolo de rolo de milho e desde o ano passado inclui bolo de rolo de pé de moleque, de canjica e de queijadinha”, conta a empreendedora.

Com as comidas personalizadas, Juliana vê seu público crescer. Ela acredita que o crescimento seja reflexo do investimento nos alimentos, que mesmo sendo típicos, têm um diferencial. Assim, ela amplia a clientela, que acaba procurando seus serviços também em outras épocas do ano. “A cada ano o público se comporta de forma diferente, mas os lucros são muito bons, porque esse tipo de comida típica sempre tem um valor diferenciado, pelo trabalho empregado no seu preparo”, explica.

Para quem já está pensando na próxima festa para investir ou começar um  novo negócio, ou até mesmo ampliar os ganhos naquele mês, Juliana tem um dica especial: “Utilizar insumos de qualidade, ter atenção  com a higiene na hora do preparo e adequar os produtos e os preços à clientela que quer atingir”, para ela são alguns dos pontos fundamentais para conseguir conquistar cada dia mais clientes.

  • Consultoria

Quem busca empreender, especialmente em negócios sazonais, precisa buscar conhecimento ou algum tipo de consultoria para minimizar (e até mesmo evitar) possíveis erros durante a execução do negócio. De acordo com os especialistas, é preciso que primeiro haja um planejamento bem trabalhado, que contenha análise de mercado, planos de marketing e publicidade, que é a forma que será utilizada para alcançar o público desejado e a estratégia financeira.

Para o consultor do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Danilo López, o ideal é não deixar para fazer tudo em cima da hora. “A dica é buscar conhecimento prévio. Não esperar o dia São João para saber o que vai vender, tem que pelo menos dois meses antes começar a planejar. Se você deixar para comprar em cima da hora, você vai comprar um produto mais caro. Tem que pensar bem antes para entender as tendências de mercado, o que pode estar fazendo de diferente para poder se destacar no mercado”, orienta.

Outro detalhe importante, que não pode passar batido, é a regularização do negócio, mesmo que seja na porta de casa. É necessário, principalmente quando se vai trabalhar com comida, preocupar-se com o bom manejo dos ingredientes e ter uma boa higienização do local fabricação e venda. Evita que o cliente tenha uma experiência ruim ou até que possa gerar denúncias à vigilância sanitária, até por parte dos concorrentes. De acordo com o consultor do Sebrae, buscar a formalização traz também confiança, segurança e tranquilidade para as partes envolvidas no processo de consumo.

Depois de passar por todas essas etapas, os micro e pequenos empresários precisam correr atrás de fazer diferente, como a confeiteira Juliana, que faz bolo de rolo de milho e pé de moleque, por exemplo. Mais do mesmo pode fazer com que o único fator atrativo dos produtos seja o preço.

Depois de decidir o que vai trabalhar, o empresário precisa analisar os custos, para não gastar mais do que pretende lucrar. Isso vale para todas as festividades ao longo do ano. “Muitas vezes quando a gente fica com excedente de estoque e tem de vender em uma época que não é muito propícia, geralmente a gente vende a um preço muito baixo e que diminui e muito a margem de lucratividade. É importantíssimo também fazer divulgação de véspera, pelo menos duas semanas antes para poder colocar na cabeça do cliente o produto. Pesquisar para identificar tendências, antes e durante. Saber todos os detalhes de sabor a preço e forma de pagamento”, comenta Danilo López.

Então, para evitar começar já com prejuízos, planejamento em todas as fases pode fazer com as vendas de época sejam de fato negócios de sucesso o ano inteiro!

 

 

Por Marcele Lima

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.