Não cometa sincericídio nas entrevistas de emprego

Nem sempre ser sincero te ajuda na conquista pelo emprego dos sonhos

Nem sempre ser sincero te ajuda na conquista pelo emprego dos sonhos

Saber se portar adequadamente em uma entrevista pode ser a porta de entrada ou saída para uma empresa. Mas você sabe o que você deve ou não falar durante esta importante etapa do processo seletivo? A gente te ajuda a não cometer o temido sincericídio. Confira!

Uma das etapas mais importantes de uma seleção de emprego após a análise do currículo é a entrevista. Nessa hora o candidato fica cara a cara com o recrutador e tem a oportunidade de “defender” sua candidatura à vaga pleiteada. Entretanto muitas pessoas não sabem exatamente como se comportar e acabam cometendo excessos falando demais, de menos ou o que não deveria.

Muitos candidatos acreditam que ser excessivamente sincero é a melhor saída para que o selecionador conheça bem o seu perfil, mas pode simplesmente cair na armadilha do sincericídio e colocar tudo a perder.

Para te ajudar a não cometer o tal sincericídio, nós separamos 5 dicas do que você NUNCA deve falar numa entrevista de emprego.

1 – “O horário do expediente é das 7h às 17h, tudo bem para você?”

Nessa etapa da entrevista, o recrutador está interessado em saber qual a sua disponibilidade de horários e não necessariamente suas predileções pessoais acerca do horário de dormir e despertar diariamente. Por isso, nunca responda algo como: “Vocês toleram atrasos? Não gosto de acordar cedo”. Isso certamente te eliminaria pois você já se apresenta enquanto um problema para a empresa antes mesmo de começar a trabalhar para ela.

2 – “Vocês oferecem benefícios? Qual o valor?”

Na entrevista também pode ser o momento de você saber todas essas informações acerca de benefício, valores e regras para concessão, no entanto não cabe a VOCÊ fazer esse tipo de questionamento, e sim à empresa te informar. Muitas delas preferem não informar os benefícios e seus respectivos valores no anúncio da vaga ou na entrevista para evitar de atrair candidatos que estejam mais interessados nisso que nas funções do cargo em si. Por isso, nesses casos segure a ansiedade e aguarde que essa informação venha do próprio selecionador.

3 – “Qual o salário?” ou “Quais as chances desse salário ser um pouco maior?”

Aqui é um ponto um tanto quanto delicado nos processos seletivos, pois falar sobre remuneração nem sempre vai ser totalmente satisfatório para o candidato em relação à função que ele irá exercer. Neste caso, existem algumas questões: se a vaga já vem anunciada com o valor salarial, não faria sentido fazer a primeira pergunta visto que você já sabe quanto a empresa paga para aquele cargo. No entanto, fazer a segunda pergunta questionando as chances daquele salário aumentar seria seu passaporte direto para a porta da rua da empresa, a não ser que você seja um profissional que tenha todo o poder de barganha nas mãos por ser uma “jóia rara” no mercado.

4 – “O boato X sobre a empresa é verdadeiro?”

A entrevista é o momento do entrevistador conhecer você e não de fofoquinhas e amenidades. Além de passar uma imagem péssima de ser uma pessoa dada a futricos e fofocas, deixa claro para o entrevistador que você não mantém uma postura profissional no seu ambiente de trabalho. Escolha fazer perguntas objetivas e concretas sem fugir demasiadamente dos objetivos do cargo que está concorrendo e da cultura da empresa que deseja trabalhar. Lembre-se da regrinha de ouro: menos é mais.

5 – Seja sincero, mas nem tanto

Depois de todas essas dicas vale ressaltar que algumas coisas também não cabem, como por exemplo:
Dizer que costuma se atrasar/se atrasou numa segunda-feira por ter feito farra na noite anterior;
Enfatizar que não leva desaforo pra casa. Isso dá a ideia de que você é um causador de problemas;
Ser preconceituoso. Não cabe mais hoje em dia um funcionário incapaz de lidar com as diferenças e que tenha atitudes racistas, sexistas ou homofóbicas;
Dar opiniões negativas sobre colegas de trabalho publicamente, seja em rede social ou em conversas informais.

Esperamos ter ajudado você a entender o que é sinceridío e mostrado as diversas formas de se evitar esse tipo de comportamento. Gostou do post? Deixa aqui seu comentário!

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Luciano disse:

    Fiz uma entrevista recente que acredito ter cometido esse tal “sincericidio” na questão financeira, perguntaram porque queria uma mudança de emprego agora (ainda trabalho, mas quero mudar de empresa) e de cara soltei que a melhoria financeira seria um dos motivos, apesar de ter saído da entrevista sem saber a faixa salarial da vaga, percebi que a entrevistadora não gostou muito, mas não acho que isso deva ser um ponto de reprovação, vivemos num mundo capitalista, ninguém troca de emprego por prazer, o fator financeiro é sim o principal motivo, então na boa, acho que as recrutadoras deveriam dar menos importância a essa questão.

  2. daniel disse:

    informações muito bem escritas, site bem legal, obrigado!

    • LeiaJá disse:

      Oi Daniel, tudo bem contigo?

      Que legal que você aprovou nosso conteúdo!

      Continue nos acompanhando e caso tenha sugestões de matérias que gostaria de ver por aqui ou dúvidas, não deixe de colocar seu comentário, ok?

      Um abraço e até mais!

      😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.